Combustível de qualidade é no Posto Potencial,o Posto do Fabinho
Tudo que você precisa para construir,reformar ou ampliar,no Depósito Pereira tem e com estrutura para atender toda a Região Vale do Ivaí
Quando precisar de serviços de Serralheria,então procure quem entende, JR SERALHERIA
O recanto dos amigos também é pesque e pague e pesca esportiva..Bairro 200 alqueires bem pertinho do Rosi Cerqueira.
O material elétrico e para acabamentos da sua construção, você encontra com preço bom na Ivaluz Materiais para Construção
HIGIENIZAÇÃO E MANUTENÇÃO NO AR CONDICIONADO É COM A ACM AR CONDICIONADO
CORAGEM, DETERMINAÇÃO E OUSADIA,ESTA É A MARCA DA FÁBRICA DE MÓVEIS PÔR DO SOL
ANUNCIE AQUI,O RETORNO É GARANTIDO
Gravações de Vídeos e Diagramação

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Estupro pode se tornar crime imprescritível-PEC tramita no Senado

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou hoje (5) relatório da senadora Simone Tebet (PMDB-MS), favorável à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 64/2016, que torna imprescritível o crime de estupro, o que significa que a qualquer tempo o agressor pode ser processado e punido pelo crime que cometeu.

A PEC ainda precisa passar por votação no plenário e ser aprovada por três quintos dos senadores, em dois turnos de votação. Se aprovado no Senado, o texto é encaminhado para a Câmara dos Deputados.

O autor da PEC, senador Jorge Viana (PT-AC), lembrou que o estupro é crime hediondo e inafiançável, e defendeu que se torne também imprescritível. Viana citou dados que mostram que mais de 70% das vítimas de estupro são menores de idade e que os agressores, em sua maioria, fazem parte do círculo de convivência do menor, o que dificulta a denúncia imediata do crime.


Na justificativa da PEC, o senador incluiu estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que estima que ocorram no Brasil, por ano, 527 mil tentativas ou casos de estupros consumados e, destes, apenas 10% seriam reportados à polícia. “A subnotificação dos crimes de estupro ocorre devido ao receio que as vítimas têm de sofrer preconceito, superexposição ou serem revitimizadas.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário