Combustível de qualidade é no Posto Potencial,o Posto do Fabinho
Tudo que você precisa para construir,reformar ou ampliar,no Depósito Pereira tem e com estrutura para atender toda a Região Vale do Ivaí
Quando precisar de serviços de Serralheria,então procure quem entende, JR SERALHERIA
O recanto dos amigos também é pesque e pague e pesca esportiva..Bairro 200 alqueires bem pertinho do Rosi Cerqueira.
O material elétrico e para acabamentos da sua construção, você encontra com preço bom na Ivaluz Materiais para Construção
HIGIENIZAÇÃO E MANUTENÇÃO NO AR CONDICIONADO É COM A ACM AR CONDICIONADO
CORAGEM, DETERMINAÇÃO E OUSADIA,ESTA É A MARCA DA FÁBRICA DE MÓVEIS PÔR DO SOL
ANUNCIE AQUI,O RETORNO É GARANTIDO
Gravações de Vídeos e Diagramação

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Mães de presos denunciam surto de tuberculose na cadeia de Marilândia do Sul

Da Tn Online
Trinta e seis mães, que têm filhos presos na cadeia de Marilândia do Sul, procuraram o Centro de Direitos Humanos (CDH), de Londrina, e denunciaram um surto de tuberculose no local. Segundo a denúncia, ao menos 13 detentos estariam apresentando sintomas da doença, porém não estariam recebendo o tratamento adequado. O caso chegou ao CDH na última quinta-feira. 
O episódio foi levado ao Conselho Permanente de Direitos Humanos do Paraná (Coped), que pediu providências à Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp). De acordo com o conselheiro do CDH, de Londrina, e membro do Coped, Carlos Henrique Santana, a situação dos presos na unidade carcerária, de Marilândia do Sul, é preocupante. “As mães denunciam que há vários casos de presos contaminados com tuberculose. Como é uma doença contagiosa, o risco de transmissão é muito alto”, diz. 
Diante da situação, segundo Santana, foi pedido à Sesp e ao Depen que todos os presos passem por exames, uma vez que no mês passado dois presos foram confirmados com tuberculose pelo próprio Depen. “Como é uma doença contagiosa, não só os presos correm risco, mas também os agentes carcerários”, diz. A carceragem não tem solário, o que torna o local insalubre, e abriga 52 num espaço projetado para 8. O Coped e o CDH também solicitam a transferência imediata dos presos infectados com tuberculose para o Complexo Médico Penal, em Curitiba. 
O delegado Felipe Ribeiro, responsável pela unidade, confirma que casos de tuberculose são frequentes e acontecem desde o ano passado, quando assumiu a delegacia. “Sempre quando surge uma nova suspeita, solicitamos exames à rede municipal de saúde. Infelizmente, até pela estrutura do local, não é possível fazer exame em todos os detentos de uma única vez”, diz. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário