Combustível de qualidade é no Posto Potencial,o Posto do Fabinho
Tudo que você precisa para construir,reformar ou ampliar,no Depósito Pereira tem e com estrutura para atender toda a Região Vale do Ivaí
Quando precisar de serviços de Serralheria,então procure quem entende, JR SERALHERIA
O recanto dos amigos também é pesque e pague e pesca esportiva..Bairro 200 alqueires bem pertinho do Rosi Cerqueira.
O material elétrico e para acabamentos da sua construção, você encontra com preço bom na Ivaluz Materiais para Construção
HIGIENIZAÇÃO E MANUTENÇÃO NO AR CONDICIONADO É COM A ACM AR CONDICIONADO
CORAGEM, DETERMINAÇÃO E OUSADIA,ESTA É A MARCA DA FÁBRICA DE MÓVEIS PÔR DO SOL
ANUNCIE AQUI,O RETORNO É GARANTIDO
Gravações de Vídeos e Diagramação

domingo, 3 de setembro de 2017

Solto após ejacular em mulher, homem é preso novamente ao atacar mais uma vítima

TN ONLINE
O ajudante geral Diego Ferreira de Novais, 27, que havia sido preso na terça-feira passada (29) por ejacular em uma mulher dentro de um ônibus, foi detido novamente por volta das 8h deste sábado (2), após atacar outra mulher em um coletivo na avenida Brigadeiro Luís Antônio, em São Paulo.
Segundo a Polícia Militar (PM), ele foi detido pelos passageiros do ônibus após suspeita de ato obsceno contra uma mulher. Diego, a vítima e testemunhas foram ser levadas para o 78º Distrito Policial (DP), nos Jardins.
O outro crime - Na última terça-feira próximo ao cruzamento com a alameda Joaquim Eugênio de Lima, o homem teria se masturbado e ejaculado sobre uma jovem. Com os gritos dela, o motorista fechou as portas do coletivo para evitar que ele fugisse.
O homem foi preso em flagrante e estava detido no 78º DP (Jardins). Novais foi acusado ao menos 17 vezes de ter praticado diversos crimes sexuais, entre assédio e estupro consumado.
Soltura - Por determinação do juiz José Eugenio do Amaral Souza Neto expedida na quinta-feira (30), em audiência de custódia no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste da capital, Diego havia sido solto. Na decisão, Souza Neto entendeu que o caso não era de estupro, mas de importunação ofensiva ao pudor -uma contravenção penal cuja pena é de multa. A justificativa seria de que Novais não teria usado de violência ou de grave ameaça para constranger a vítima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário