apoios

Direção Aguinaldo e Rose
AVENIDA MINAS GERAIS APUCARANA
AVENIDA JOSÉ NALINE EM BORRAZÓPOLIS
NO PÁTIO DO POSTO BORRAZÓPOLIS
Do amigo Hélio Vettor em Borrazópolis
A LOJA DO TAVINHO
NA SAÍDA PARA FAXINAL
DESDE 1963 JUNTO COM VOCÊ
ENTREGAS E ORÇAMENTOS PARA TODO O VALE DO IVAÍ
PERFUMES DA NATURA
DIREÇÃO DO TIAGO E CARLA
ESTE PRODUTO VOCÊ ENCONTRA NA AGRÍCOLA VASSOLER
AO LADO DO HOSPITAL MUNICIPAL
DIREÇÃO DO AMIGO WESLEY E CAROL
EM FRENTE AO SICREDI
QUALIDADE,BOM PREÇO E HONESTIDADE
NA SAÍDA PARA KALORÉ
CARROS PERICIADOS E DE PROCEDÊNCIA

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Em meio a protestos, Irã volta a disparar mísseis contra bases no Iraque

Essa ação foi assumida pelos Guardas da Revolução iranianos como uma “operação de vingança” pela morte do general Qassem Soleimani

Protesto no Irã por causa do avião derrubado
Protesto no Irã por causa do avião derrubado / Fonte: Bem Paraná

Vários mísseis atingiram, no domingo (12), a Base Aérea Militar da cidade de Balad, no Iraque, que abriga forças norte-americanas. Pelo menos quatro soldados iraquianos teriam ficado feridos durante o ataque. A base está situada a cerca de 80 quilômetros ao norte de Bagdá, e os mísseis teriam caído na pista, de acordo com fontes militares citadas pela agência Reuters.
Segundo o Exército iraquiano, quase todas as tropas norte-americanas já deixaram a base, localizada em Balad, na sequência da escalada de tensão entre os Estados Unidos e o Irã, e com os protestos da população desde o sábado (11), depois que o governo do Irã admitiu que derrubou "por acidente" o avião ucraniano na semana passada.

O ataque acontece depois de, na madrugada da última quarta-feira, mais de uma dúzia de mísseis iranianos terem sido lançados contra duas bases aéreas que também abrigavam tropas norte-americanas no Iraque.

Essa ação foi assumida pelos Guardas da Revolução iranianos como uma “operação de vingança” pela morte do general Qassem Soleimani, comandante da força de elite Al-Quds. Ele morreu dias antes, num ataque aéreo em Bagdá, ordenado pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Protestos

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, pediu ontem às autoridades de Teerã que não matem os manifestantes que participam dos protestos por causa do abate de um avião ucraniano. Os protestos começaram no sábado, depois do governo iraniano reconhecer que abateu o avião ucraniano “por engano”.

“O mundo está olhando. E, mais importante, os Estados Unidos estão olhando”, acrescentou Trump, reiterando o teor de outra mensagem, divulgada no sábado, na qual alertou o regime de que “não poderia acontecer outro massacre de manifestantes pacíficos”.

Já o secretário de Defesa, Mike Pompeo, escreveu no Twitter que o Irã encerre as agressões contra bases iraquianas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário