apoios

Direção Aguinaldo e Rose
FAÇA A SUA APOSTA DA LOTÉRICA ZEBRA DA SORTE
AVENIDA JOSÉ NALINE EM BORRAZÓPOLIS
NO PÁTIO DO POSTO BORRAZÓPOLIS
Do amigo Hélio Vettor em Borrazópolis
A LOJA DO TAVINHO
NA SAÍDA PARA FAXINAL
DESDE 1963 JUNTO COM VOCÊ
ENTREGAS E ORÇAMENTOS PARA TODO O VALE DO IVAÍ
PERFUMES DA NATURA
DIREÇÃO DO TIAGO E CARLA
ESTE PRODUTO VOCÊ ENCONTRA NA AGRÍCOLA VASSOLER
AO LADO DO HOSPITAL MUNICIPAL
DIREÇÃO DO AMIGO WESLEY E CAROL
EM FRENTE AO SICREDI
QUALIDADE,BOM PREÇO E HONESTIDADE
NA SAÍDA PARA KALORÉ
CARROS PERICIADOS E DE PROCEDÊNCIA

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Indústria e comércio estimam perdas de R$ 5,8 bilhões no Paraná com feriados

Setor industrial estima perder até 5% do seu PIB com os dias parados neste ano por causa dos feriados

Setor industrial estima perder até 5% do seu PIB com os dias parados neste ano por causa dos feriados
Fonte: Bem Paraná
O ano de 2020 será mais repleto de feriados do que foi 2019. Motivo de alegria para alguns, mas também de preocupação para outros. É que nisso de paralisar as atividades para o ganho de um descanso extra alguns dos setores da economia acabam perdendo em produtividade. A estimativa, apenas para este ano, é de um prejuízo de aproximadamente R$ 5,85 bilhões, apenas no Paraná.
De longe, o setor mais impactado deverá ser a indústria. Conforme estimativa divulgada ontem pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), o valor que deixará de ser faturado por conta dos dias parados é estimado em R$ 4,57 bilhões ao longo do ano, num cálculo que considera a previsão do PIB industrial total do estado, o número de folgas que cairão em dias de semana e também as possibilidades de emendas com fins de semana.

“Um único dia corresponde a praticamente 5% da produção mensal de uma indústria”, explica o presidente da Fiep, Carlos Valter Martins Pedro. “Portanto, quando essa empresa tem um dia a menos de atividade, está deixando de produzir e, consequentemente, de faturar e até de gerar impostos”, complementa.

Já com relação ao varejo, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) divulgou em novembro último uma previsão de prejuízo de R$ 11,8 bilhões por causa dos dias parados. O estudo não trouxe dados por estado, mas uma estimativa da própria Fecomercio do Paraná é que cada dia não trabalhado representa algo em torno de 2% a menos de venda no comércio de bens.

Já a Associação Comercial do Paraná (ACP), num estudo de 2017, apontava perdas de até R$ 160 milhões em todo o varejo paranaense a cada data com feriado prolongado. Com isso, chegar-se-ia à soma de R$ 1,28 bilhão a menos em vendas neste ano no Paraná.

Conforme o estudo da Fecomercio-SP, os estabelecimentos mais impactados pelos feriados são os farmácias, vestuário, tecidos, calçados, móveis e decoração.

Por outro lado as empresas que trabalham com turismo, entretenimento e gastronomia costumam registrar bom faturamento nessas datas comemorativas, o que acaba equilibrando um pouco mais a balança. O turismo movimenta os setores rodoviário, aéreo, de hospedagem, restaurantes, bares, entre outros, fazendo circular a economia, beneficiando, inclusive, o comércio tradicional.

Presidente da Fiep defende compensação

Para este ano, tomando como base o Valor da Transformação Industrial medido pelo IBGE, a Fiep estima que o PIB Industrial paranaense seja próximo de R$ 88,7 bilhões, resultando em aproximadamente R$ 352 milhões por dia útil. Como serão dez feriados nacionais em dias de semana – sem contar feriados estaduais e municipais –, as perdas alcançariam R$ 3,52 bilhões no ano. No entanto, três dos feriados caem em terças ou quintas-feiras, possibilitando que muitas atividades sejam paralisadas por mais um dia. E aí se chega ao montante de R$ 4,57 bilhões de prejuízos à indústira com o comércio.

Para o presidente da Fiep, Carlos Valter, umna solução para amenizar o impacto dos feriados ao setor é negociar a adoção de planos de compensação dos dias parados, possibilidade que surgiu com a Reforma Trabalhista. “A indústria brasileira já sofre com custos excessivos que impactam no preço final dos produtos e comprometem sua competitividade.

Especialmente neste momento em que o país ainda busca uma retomada mais intensa de sua economia, é preciso pensar em medidas que reduzam esses custos e aumentem a produtividade das empresas”, afirma o presidente da Fiep.

Nenhum comentário:

Postar um comentário