Direção Aguinaldo e Rose
A LOJA DO TAVINHO
NA SAÍDA PARA FAXINAL
DESDE 1963 JUNTO COM VOCÊ
ENTREGAS E ORÇAMENTOS PARA TODO O VALE DO IVAÍ
PERFUMES DA NATURA
DIREÇÃO DO TIAGO E CARLA
ESTE PRODUTO VOCÊ ENCONTRA NA AGRÍCOLA VASSOLER
AO LADO DO HOSPITAL MUNICIPAL
DIREÇÃO DO AMIGO WESLEY E CAROL
EM FRENTE AO SICREDI
QUALIDADE,BOM PREÇO E HONESTIDADE
NA SAÍDA PARA KALORÉ
CARROS PERICIADOS E DE PROCEDÊNCIA

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Endividamento das famílias alcança 66,5% em maio

Esta é a maior proporção de famílias que permanecerão na inadimplência para um mês
O número de famílias com dívidas em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro recuou ligeiramente em maio, passando de 66,6%, em abril, para 66,5%. O percentual de endividamento foi maior que maio de 2019, quando ficou em 63,4%.A proporção de famílias endividadas, medida pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) foi divulgada hoje (20).Segundo a CNC, a quantidade de brasileiros com dívidas ou contas em atraso caiu 0,2 ponto percentual na comparação mensal, ficando em 25,1%. No entanto, houve crescimento em relação a maio do ano passado, quando ficou em 24,1%.“Mesmo com as incertezas impostas pela pandemia, a inadimplência não mostra trajetória explosiva, pelo menos não ainda. Com medidas de auxílio à renda, como o coronavoucher, as famílias mostram alguma resiliência na quitação de seus compromissos financeiros”, afirmou, em nota, a economista da CNC responsável pela pesquisa, Izis Ferreira.O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes aumentou, passando de 9,9% do total em abril para 10,6% em maio. Esta é a maior proporção de famílias que permanecerão na inadimplência para um mês de maio desde o início da realização da Peic, em janeiro de 2010, e a mais elevada desde abril de 2018.O total de famílias que se declararam muito endividadas também aumentou em maio, chegando a 16% e atingindo o maior percentual desde setembro de 2011, quando o indicador alcançou 16,3%.O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que, apesar das medidas para enfrentar a crise provocada pelo novo coronavírus, como a injeção de liquidez na economia e a queda das taxas de juros, a maior aversão ao risco no sistema financeiro tem impedido que o crédito de fato alcance os consumidores.(Agência Brasil)

Nenhum comentário:

Postar um comentário